24 de agosto de 2013

21º Domingo do Tempo Comum - A Porta Estreita


Na liturgia deste final de semana somos chamados a SALVAÇÃO, este que é um dom oferecido por Deus a todos! A figura interessante que nos traz hoje é a PORTA ESTREITA e quando falamos de porta, temos que entender que ela é um instrumento que dá acesso.
Jesus é esta porta, a verdadeira porta e que dá acesso ao Pai, por ela chegamos ao Pai.
 O profeta Isaías vem falar da salvação, dizendo que ela é para todas as pessoas, para todos os povos.
Na carta aos hebreus diz que o homem encontra a salvação através de Deus e assim deve-se deixar guiar por ele.
O pai é aquele que corrige, repreende os que desviam do caminho da salvação.
No Evangelho Jesus vem mostrar o caminho da salvação, primeiramente vemos o diálogo com uma pessoa que pergunta se poucos eram os que se salvam.
Jesus não diz em números de que salvos, mas ele revela o CAMINHO para a salvação. O banquete do reino é para todos, não há entradas garantidas, nem bilhetes garantidos, pois a porta é estreita para entrar.
E Jesus conta a Parábola:
O senhor que oferece um banquete. Todos podem tomar parte, pois é de graça. Todos podem participar, mas para entrar alguns passam e outros não, porque certo ponto a porta fecha.
A salvação é para todos e não há distinção por raça, nem condição social, econômica, religiosa...
Deus nos oferece a salvação, mas requer de nós uma Resposta que é o compromisso com o Evangelho, com a justiça, com o amor ao próximo, que sejamos pessoas bondosas e justas.
Mas para muitos a porta estreita não é muito conhecida, popular, por causa do Poder, da Fama, do dinheiro que camufla esta porta, faz com que não liguemos para ela.
Só que quando formos entrar lá não haverá privilegiados e outra coisa não haverá desculpas, se foi amigo de padre, se esteve todos os domingos na missa, se foi rico, se foi famoso, se foi do apostolado, de tal pastoral, movimento...
Porém há duas coisas importantes para passar na porta estreita: 1ª desfazer de coisas desnecessárias e 2ª tornar-se pequeno, simples, humilde, servidor, como criança. Também é necessário que possamos aprender a lidar com as nossas frustrações, suportar as demoras de Deus, é ser educado, ser repreendido, corrigido por Deus.

Assim, a Salvação é o resultado do encontro do nosso esforço humano e o dom de Deus. Para salvar-se não basta entrar na Igreja uma vez pelo Batismo, mas querer entrar pela porta estreita e que deve ser uma atitude que tomemos todos os dias de nossa vida sendo enfim, fiéis a Cristo e a Seu Evangelho.

Boa meditação e bom final de semana!
Fiquem com Deus
Diácono Daniel Bento Bejo