4 de junho de 2013

“Tomai sobre vós o meu jugo e de mim aprendei, que sou manso e humilde de coração” (Mt 11,29)



“Tomai sobre vós o meu jugo e de mim aprendei, que sou manso e humilde de coração” (Mt 11,29)
Sobre esta citação do Evangelho de Mateus, que venho manifestar tamanha alegria para com o serviço com que estarei assumindo para toda a minha vida por meio do Sacramento da Ordem, em seu primeiro grau que é o Diaconato.
Como sabemos o diaconato é o primeiro grau recebido pela pessoa que está sendo chamada através de sua vocação ao sacramento da Ordem a se consagrar presbítero da Igreja. Porém, nem sempre. Pode-se ser diácono de forma permanente e nunca ser sacerdote (presbítero ou bispo).
            A palavra diácono vem “do grego diákonos (aquele que serve)” (GERARDI, R. Diácono. In: LEXICON. p. 194), e os que acabam por receber a diaconia têm como serviço as obras de caridade, a servir aos mais pobres, aos mais necessitados.
            Podemos também constatar no Novo Testamento dois termos usados para designar o servo e serviço que é o diácono e diaconia. Vemos o próprio Paulo, que se considera servo, pois ele era aquele que estava sempre anunciando a Boa Nova, anunciando o Cristo, como nos explicita na sua Primeira Carta aos Coríntios: “quem é, portanto, Apolo? Quem é Paulo? Servidores, pelos quais fostes levados à fé; cada um deles agiu segundo os dons que o Senhor lhe concedeu”. (1Cor 3,5; Cf. GERARDI, R. Diácono. In: LEXICON.  p.194)
            Já na comunidade de Filipos, nos indaga na apresentação da carta: “Paulo e Timóteo, servos de Cristo Jesus, a todos os santos em Cristo Jesus que estão em Filipos, com seus epíscopos e diáconos”. (Fl 1,1) Aqui observamos que “com diácono quer-se indicar uma função particular, um ministério eclesial, associado aos bispos e aos presbíteros”. (GERARDI, R. Diácono. In: LEXICON. p.194)
            Tomemos o trecho de Atos dos Apóstolos (At 6,1-6), em que temos a instituição dos Sete: “Naqueles dias, aumentando o número dos discípulos, surgiram murmurações dos helenistas contra os hebreus. Isto porque, diziam aqueles, suas viúvas eram esquecidas na distribuição diária. Os Doze convocaram então a multidão dos discípulos e disseram: ‘Não é conveniente que abandonemos a Palavra de Deus para servir às mesas. Procurai, antes, entre vós, irmãos, sete homens de boa reputação, repletos do Espírito e da sabedoria, e nós os encarregaremos desta tarefa. Quanto a nós, permaneceremos assíduos à oração e ao ministério da Palavra. A proposta agradou a toda a multidão. E escolheram Estevão, homem cheio de fé e do Espírito Santo, Filipe, Prócoro, Nicanor, Timon, Pármenas e Nicolau, prosélito de Antioquia. Apresentaram-nos aos apóstolos e, tendo orado, impuseram-lhes as mãos.’”
            Estes sete homens foram instituídos pelos apóstolos para que pudessem servir às mesas se dedicando à caridade.
            Verificamos também no Concílio Vaticano II, com a Constituição Dogmática Lumen Gentium trabalha o que é o diaconato e suas principais funções: “Os Diáconos estão no grau inferior da hierarquia. São-lhes impostas as mãos ‘não para o sacerdócio, mas para o ministério’. Porquanto, fortalecidos com a graça sacramental, servem ao povo de Deus na diaconia da liturgia, da palavra e da caridade, em comunhão com o Bispo e seu presbitério. Conforme lhe for marcado pela autoridade competente, o diácono deve administrar solenemente  o batismo, conservar e distribuir a Eucaristia, assistir e abençoar o matrimônio em nome da Igreja, levar o Viático aos moribundos, ler a Escritura aos fiéis, instruir e exortar o povo, presidir ao culto e às orações dos fiéis, administrar os sacramentais, oficiar exéquias e enterros (…) Este Diaconato pode ser conferido a homens de idade mais madura, mesmo casados, ou a moços idôneos, para os quais, porém, deve continuar firme a lei do celibato.” LG. n.29
            Por isso, vemos que o diácono tem sua função própria, sendo que ele “não compartilha a função do bispo como guia da comunidade, nem se quer função sacerdotal” (GERARDI, R. Diácono. In: LEXICON. p.194). O diácono ele participa junto com o bispo do seu ministério, estando sempre à serviço da Igreja.
            Portanto, vejamos como é colocado o diaconato, resumindo todo o  ministério do diácono, na Prece de Ordenação: “Assim, no início da Igreja, os Apóstolos do vosso Filho, movidos pelo Espírito Santo, escolheram sete homens de bem para ajudá-los no serviço diário, confiando-lhes a distribuição dos alimentos, pela oração e imposição das mãos, a fim de que eles próprios pudessem dedicar-se mais à oração e à pregação da Palavra. Olhai também com bondade, Senhor, este vosso servo que consagramos como Diácono para o serviço do vosso altar. Enviai sobre ele, Senhor, nós vos pedimos, o Espírito Santo que o fortaleça com os sete dons da vossa graça, a fim de exercer com fidelidade o seu ministério. Resplandeçam nele as virtudes evangélicas: o amor sincero, a solicitude para com os enfermos e os pobres, a autoridade discreta, a simplicidade de coração e uma vida segundo o Espírito. Brilhem em sua conduta os vossos mandamentos para que o exemplo de sua vida desperte a imitação do vosso e, guiando-se por uma consciência pura, permaneça firme e estável no Cristo. Assim, imitando na terra o vosso Filho, que não veio para ser servido, mas para servir, possa reinar com ele no céu.” (CONGREGAÇÃO DO CULTO DIVINO E DISCIPLINA DOS SACRAMENTOS. Ritual de Ordenação …  p. 118 – 119.)
Portanto, no próximo dia 07 de junho, na Solenidade do Sagrado Coração estarei sendo ordenado Diácono para a nossa Igreja Particular, na Diocese de Jaboticabal. Peço que rezem por mim, para que o meu serviço seja na humilde, na alegria levando a Boa Nova a todas as pessoas!
Daniel Bento Bejo

Um comentário: