8 de fevereiro de 2013

João Batista sinal da espera do Filho de Deus

A Paz...
Hoje vamos meditar a Palavra de Deus, do evangelho de Marcos 6,14-29 em que o povo vê Jesus como João Batista ressuscitado e este fato chega até Herodes Antipas, filho de Herodes, o Grande. Vemos neste trecho do evangelho que a morte de João Batista é motivo o calar de muitas autoridades do tempo. Sendo que a morte do precursor de Jesus se transforma num sinal de espera do Filho de Deus.
O profeta que pregava o início de transformação radical é morto por aqueles que se sentem incomodados com essa transformação.
O profeta é aquele que anuncia a verdade...
Será que estou anunciando a verdade, dando a sua vida inteira para a sua comunidade, à família, ao seu grupo de pastoral? Ou acabo deixando a desejar, sendo que a palavra de Deus fica escondida, fica ofuscada? 

 
Para nos ajudar ainda, o comentário do evangelho retirado do site www.evangelhoquotidiano.org:
  
Comentário ao Evangelho do dia feito por Beato João Paulo II (1920-2005), papa Homilia de 07/05/2000 na comemoração dos testemunhos de fé do século XX, nº 4 (trad. © copyright Libreria Editrice Vaticana, rev.)
 
Testemunhos de fé perante as forças do mal
 
"«Felizes de vós, se fordes insultados e perseguidos, e se disserem toda a espécie de calúnias contra vós por causa de Mim. Alegrai-vos e exultai, porque será grande a vossa recompensa no céu!» (Mt 5, 11-12). Como condizem estas palavras de Cristo com as inumeráveis Testemunhas da Fé do século passado, que foram insultadas e perseguidas, mas jamais vencidas pela força do mal! Onde o ódio parecia contaminar toda a vida, sem dar a possibilidade de escapar à sua lógica, elas demonstraram que «o amor é mais forte que a morte» (Ct 8,6). No interior de terríveis sistemas opressivos que desfiguravam o homem, nos lugares de sofrimento, entre privações inauditas, ao longo de marchas esgotantes, expostas ao frio, à fome, torturadas, vítimas de vários tipos de sofrimento, elas fizeram ressoar em voz alta a sua adesão a Cristo morto e ressuscitado. [...] Muitos rejeitaram ceder ao culto dos ídolos do século XX e foram sacrificados pelo comunismo, pelo nazismo, pela idolatria do Estado ou da raça. Muitos outros morreram durante guerras étnicas e tribais, porque recusaram uma lógica alheia ao evangelho de Cristo. Alguns conheceram a morte porque, seguindo o modelo do bom Pastor, quiseram permanecer com os seus fiéis, apesar das ameaças. Em cada continente e ao longo de todo o século XX, houve quem preferiu morrer para não faltar à própria missão. Religiosos e religiosas viveram a sua consagração até à efusão do sangue. Homens e mulheres crentes morreram oferecendo a sua existência por amor dos fiéis, de forma especial dos mais pobres e dos mais frágeis. Não poucas mulheres perderam a própria vida para defender a sua dignidade e pureza. «Quem tem apego à sua vida, perdê-la-á; quem despreza a sua vida neste mundo conservá-la-á para a vida eterna» (Jo 12, 25)."
 SEJAMOS PROFETAS!!!!!!!!!!!!!
 

Tenham todos uma boa meditação da Palavra.
Fiquem com Deus
Daniel Bento Bejo 

Um comentário:

  1. Bom dia, Daniel! Parabéns pela qualidade da reflexão e pelo visual do seu blog. Está tudo muito bom.bjs

    ResponderExcluir